Telefone (62) 3233-3002
Real COTAÇÕES Cliente ÁREA DO CLIENTE Facebook Youtube Instagram

20/10/2017 Curso

Veterinária da Cria Fértil participa ao 2º Congresso Nacional Das Mulheres do Agronegócio

Aconteceu entre os dias 17 e 18 de outubro, no Transamérica Expo Center São Paulo, o 2º Congresso Nacional das Mulheres do Agronegócio, para mulheres do setor de todo país com o intuito de troca de experiências e networking.

O evento que contou com agricultoras, pecuaristas, profissionais da indústrias, executivas de corporações, entre outras diversas profissionais de toda cadeia do Agronegócio, tem como objetivo reunir profissionais com visão focada no Agronegócio.

Com o tema “Liderança Globalizada, Empreendedora e Integrada” foram realizados 15 workshops práticos e painéis de debates,  apresentados e conduzidos por renomados profissionais do agronegócio. Entre diversos temas, foram abordados Liderança Integrada, Liderança Empreendedora, Criatividade e Cooperação, Agricultura Digital, Tecnologia e Genética, cases e muito mais.

E a médica veterinária e consultora de vendas da Cria Fértil Adrea Alessandra Xavier Abreu Souza, esteve presente no Congresso para acompanhar, firmando a importância que a Cria tem em manter seus profissionais sempre atualizados no que tange agronegócio e todos os assuntos relacionados.

“O Brasil, como sendo um país culturalmente machista, dificultou a participação da mulher no agronegócio o que vem sendo alterado com eventos como esse, a formação de núcleos femininos, que estão sendo criados por toda parte, tornando a mulher mais forte e representativa”, comentou a médica veterinária da Cria Fértil

 

Preconceito ainda existe

A Associação Brasileira do Agronegócio - ABAG, aproveitou o evento para divulgar as conclusões da pesquisa “Todas as Mulheres do Agronegócio”, um levantamento com 862 mulheres de todo país, que apontou que estereótipos e preconceitos com mulheres no área do agronegócio já diminuiu, mas que ainda existem.

Entre diversos dados da pesquisa, 44,2% apontam que já sentiram preconceito sutil, enquanto 30% acusam preconceito evidente. E ainda 9,4% destacaram que não foram levadas a sério, 8% sentiram desconfiança de outras pessoas com relação a sua habilidade no cargo, 11, 7% perceberam dúvida quanto a seu conhecimento e 8,8% notaram desconfiança em relação a capacidade de negociação.

“Percebi que a mulher do agronegócio ainda está em busca de conhecimento, aprimoramento, que promove o crescimento pessoal, demonstrando que são resilientes e não contentam com a posição que já conquistaram, querendo ir mais longe. Rompendo barreiras, entre elas a do preconceito”, afirmou Adrea.

Mais dados sobre o perfil das mulheres que atuam no agronegócio

Entre outros dados da pesquisa estão que 49,5% das entrevistadas atuam em minifúndios, 26,1% em pequenas propriedades, 13,5% em médias e 10,9% em grandes fazendas.  quanto a ocupação de cada uma delas, a maioria, 59,2%, é proprietária ou sócia, 30,5% funcionárias e 10,4% são gestoras, diretoras, gerentes, coordenadoras ou atuam em funções administrativas.

Ao serem questionadas pela razão a qual escolheram trabalhar na agropecuaria, 36,2% optaram por gostarem da vida no campo, 34% já possuíam integrantes da família na área, 15,6% já eram proprietárias ou sócias, e 10,7% enxergaram uma oportunidade de trabalho no campo.

A maioria das entrevistas que não deseja ter filhos 64,1% e das que já possuem, 73,1% gostariam que os filhos seguissem com as atividades do agronegócio.

Em relação a tecnologia e comportamento, a pesquisa constatou que a grande maioria é altamente conectada. 92,9% utilizam Facebook, 95,1% o WhatsApp, 68,8% o Youtube, 54,8% Instragram e 65,3% Messenger.

Entre os assuntos buscados para ampliarem seus conhecimentos está Gestão de Pessoas com 56,8%, Gestão Empresarial 54,5%, Finanças 33% e 27,3% Negociação.

Nesse sentido, acreditamos na força e na importância das profissionais em campo, e não importa o gênero, acreditamos na competência de profissionais que amam o agronegócio e conduzem o Brasil como um dos principais exportadores de carne e produtores de leite. Além disso, a Cria Fértil acredita no trabalho e crescimento de melhoramento genético de bovinos em nosso país, contando com a colaboração de excelentes profissionais que enriquecem nosso trabalho com toda sua competência e feminilidade.

 

VOLTAR